sábado, 17 de outubro de 2009

MIOPIA ESPIRITUAL

A miopia é a condição em que os olhos podem ver os objectos que estão perto, mas não são capazes de enxergar nitidamente os objectos que estão longe. A palavra "miopia" vem do grego "olho fechado", porque as pessoas com esta condição, frequentemente apertam os olhos para ver melhor à distância.
No entanto, é evidente que se um indivíduo é míope de muitas dioptrias (ou graus), para ver bem de perto, tem que aproximar-se muito, o que é um factor muito cansativo e incómodo.
Mas a ideia não é falar-vos de doenças dos olhos. Para isso temos especialistas. Eu só sei explicar o que é, porque sofro do problema!
Na nossa visão espiritual podemos também sofrer de miopia. Na Bíblia encontramos alguns casos típicos de miopia espiritual. Um deles, é a história triste de um homem que pelo prazer da comida e pela fome imediata, vendeu a sua parte na herança da família. O direito de primogenitura dava certos privilégios ao filho mais velho: 1)porção dobrada dos haveres paternos depois da morte deste; 2)direito de exercer o sacerdócio sobre a família; na linha de Abraão incluía ainda o privilégio de ficar na linha genealógica directa do Messias que viria. Por causa de um prato de comida, Esaú desbaratou tudo isto. (Génesis 25:29-34). A epístola aos Hebreus chama-o de “profano”, ou seja, alguém que não dá valor às coisas espirituais. Ele olhou para a panela do guisado e foi incapaz de focar-se na herança, no privilégio de estar na linha do Redentor, conforme Deus prometera ao seu avô Abraão. Viu o imediato e não viu o seu futuro. A sua perda de perspectiva foi tão grande, que cometeu a loucura de pensar que um guisado quente era mais importante que a herança do pai. Essa, no seu ver míope, ainda estava tão longe!
A miopia cura-se procurando uma correcção - A Palavra de Deus diz que podemos andar da mesma maneira que as ovelhas: “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava do seu caminho” (Is 53:6). Sabe porque elas se desgarram, se perdem? Pela maneira como andam. De cabeça baixa, concentrando-se na erva que têm à frente do nariz. Vão de um tufo para outro e podem afastar-se das outras, nesse caminhar e perder-se. É possível viver uma vida assim. Andando sem alvos definidos, fazendo o que surge, enfrentando o dia a dia, avançando sem um plano definido, focando no imediato, no que está à frente dos olhos.
A miopia vence-se, olhando para além da dor imediata - Deus criou o nosso sistema nervoso de uma maneira maravilhosa e ao mesmo tempo desconcertante. Ou seja, quando somos magoados ou feridos, as terminações nervosas gritam a sua mensagem de dor. E ainda bem que assim é. A dor alerta-nos para o facto que algo não está bem em nós. Podemos desenvolver uma miopia que nos leve a concentrar-nos apenas nas nossas dores e males, esquecendo as nossas bênçãos. Concentramo-nos nos perigos e esquecemos as possibilidades.
A miopia vence-se concentrando-nos nas necessidades dos outros, não nas nossas - No caso de Esaú, a sua necessidade gritava mais alto. É fácil olhar para os nossos pés. É mais difícil focar o horizonte. É mais fácil focar em tudo o que temos ou não temos, conforto, bens, roupa, dinheiro, comunicação com a família. Este é o nosso foco diário, imediato. Mas Jesus prescreveu uma receita para isto: “Amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento. Este é o primeiro e grande mandamento. O segundo semelhante a este é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mat 22:37-39).A nossa vida de amor sempre se centra em alguém: Deus, os outros ou nós mesmos.
Deus deseja que o nosso olhar foque acima (Deus) e à nossa volta (os outros). Para isto é necessário um acto de vontade, uma decisão da nossa mente. Concentração, focagem da nossa vista, para vencer esta miopia do eu, do meu, do tenho, do não tenho...O samaritano da parábola de Jesus, teve que confrontar-se com a miopia. Olhando para o homem caído à beira da estrada, magoado pelo assalto dos ladrões que o espancaram depois de roubá-lo, podia ter pensado: “Este homem é judeu; a caridade é para os da casa. Talvez os ladrões andem por aí e venham atacar-me também; já estou atrasado; não sou médico...”Mas o homem de Samaria venceu todo o pensamento míope e mesquinho. Parou, tratou as feridas do outro, carregou-o sobre o seu animal e levou-o a um lugar onde podia ter tratamento específico. Pagou as despesas e quando voltou de viagem ainda se certificou se havia algo mais a fazer e a pagar.
A minha oração é que Deus coloque nos meus olhos umas lentes poderosas do seu Espírito, que transformem uma imagem desfocada do plano e projecto de Deus para a minha vida, em algo nítido e real.

Sem comentários:

Enviar um comentário