quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O SEIO DA MÃE


“...Mas ainda que esta mãe viesse a esquecer-se dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti” (Isaías 49:15b)

Há uns anos, estava em Moçambique, numa grande reunião numa igreja e no final uma mulher muito jovem, carregando um bebé muito cheio de roupa e bem embrulhado, aproximou-se de mim e com voz triste disse: “Ore pelo meu menino, está muito doente. Não tenho leite para ele”. Fiquei admirada com a mulher e perguntei quanto tempo tinha a criança, ao que ela respondeu “Duas semanas!”. Não sei se ela estava muito certa do tempo, mas o que me assustou tanto, ao ponto de sentir até uma agonia física, foi o facto de aquela criança não comer. Não era possível, o menino tinha de ingerir algum alimento... A jovem então explicou-me que lhe dava água com açúcar e sopa...
Perante aquele quadro, perguntei se não tinha leite no peito para dar ao seu filho. “Não, não tenho” disse, com os olhos baixos.
Fiz então uma das coisas mais loucas que já me aconteceram na vida. Desabotoei-lhe a blusa e pedi-lhe que tirasse o seio para fora. Ela assim fez. Fiz pressão sobre o seio da mulher... “Agora”, disse eu, “coloque a boca do menino no seu mamilo. Faça pressão sobre o seio...”. Isto demorou uns lentos minutos, mas de repente, vejo a boca do bebé a puxar o leite da mãe. Os olhos da moça iluminaram-se de sorrisos. Sentei-me com ela e expliquei como Deus fez o nosso corpo de forma tão maravilhosa para podermos suprir a necessidade de alimentação dos nossos filhos durante os seus primeiros meses de vida. Ela simplesmente não sabia... as mulheres mais velhas achavam que ela estava seca...
Como Deus é sábio ao fazer do nosso corpo um lugar de segurança para uma criança ser formada e dos nossos seios uma fábrica de leite com a temperatura, textura e elementos perfeitos para que esse ser receba tudo quanto necessita para ser saudável. Enquanto amamenta o seu filho, louve a Deus por esse dom, mas não se esqueça de elevar uma prece pelos meninos do mundo que nascem e são abandonados, que nunca sentirão o calor de um seio, que jamais olharão com olhinhos lânguidos para o rosto da mãe...
(Do livro: Esperança para a Alma (pg. 26) de Sarah Catarino)

5 comentários:

  1. Só mesmo você para fazer uma coisa dessas... já li no livro e amei. Coisas do coração de Sarah.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. A minha mãe esqueceu~se!
    Mas Deus sabia e cuidou de mim.
    Deu-me um colo... um outro peito.
    Não sei quem pensou na frase, mas percebo:
    " PARIR É DOR... CRIAR É AMOR "

    ResponderEliminar
  3. .... Nem tenho palavras... Que benção q foi aquele momento, tanto para a mãe, como para si. Obrigada. Beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Timóteo,
    Em ti cumpriu-se literalmente a Palavra de Deus! Ee cuidou de ti e fez-te um homem de bem!

    ResponderEliminar
  5. Me doi o coração só de pensar nessas crianças...e peço que Deus possa cuidar delas!
    Mas o louvo sem cessar pela minha pequenina ter esse previlégio de olhar "com olhinhos lânguidos para o rosto da mãe..."

    Sarah Tú és uma mulher VALOROSA...obrigada por partilhares connosco aquilo que Deus te dá!

    Beijinho grande!

    ResponderEliminar