quinta-feira, 22 de abril de 2010

O AMOR ACEITA...TODAS AS COISAS

“O amor... tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. 1 Coríntios 13:7

Não seria bom se o amor fosse como uma fila de restaurante onde as pessoas se servem a si mesmas? E se nós pudéssemos olhar para a pessoa com quem moramos e seleccionar o que queremos e passar ao lado do que não queremos? E se os pais pudessem fazer isso com os filhos? “Eu vou querer um prato de boas notas e sorrisos graciosos, e passar a crise de identidade da adolescência e contas do ensino”.
E se os filhos pudessem fazer o mesmo com os pais? “Por favor, dêem-me a mesada e alojamento gratuito, mas sem regras ou hora para dormir, obrigado”.
E cônjuge com cônjuge? “Uma tigela de boa saúde e bom humor. Mudanças de emprego, parentes e roupas para lavar, não estão na minha dieta”.
Não seria óptimo se o amor fosse como uma fila de restaurante onde as pessoas se servem a si mesmas? Seria mais fácil. Seria mais arrumado. Seria indolor e tranquilo. Mas sabe uma coisa? Não seria amor. O amor não aceita apenas algumas coisas. O amor está disposto a aceitar todas as coisas.
Amar é uma questão de atitude.
Deus amou o mundo e tomou uma atitude: enviou o Seu Filho Unigénito para que tenhamos salvação e uma vida com Ele. O Amor de Deus é inigualável, imensurável e alcançou-nos. Ele amou-nos, mesmo sendo nós pecadores! Ele continua a amar-nos a cada dia.

Ama e serás amado(a).

por Max Lucado.

Sem comentários:

Enviar um comentário