quarta-feira, 10 de novembro de 2010

NOZES...


Ofereceram-nos um saco de nozes. Hoje em dia ninguém gosta de as partir, dá trabalho e faz lixo...É muito mais fácil compra-las no supermercado, embaladas e caras.
Mas hoje resolvi partir algumas. Deliciosas, as nozes fortalecem as defesas do corpo, auxiliam na formação de glóbulos vermelhos, ajudam a curar ferimentos mais depressa, fortalecem ossos e dentes e, ainda, actuam contra o envelhecimento das células. Com tantas qualidades desses frutos de casca dura, o que se come é a semente e elas (as nozes), podem e devem entrar no nosso cardápio regularmente.
Cá estou eu, sentada com o dito saco na minha frente e a parti-las. Não são bonitas, mas ainda só encontrei duas podres. O resto é todo bom. A casa está em silêncio e o único ruído é o que faço, cada vez que parto um dos frutos. De repente, vem-me à mente algo que ouvi há algum tempo, dito por um grande homem de Deus. Ele comparou uma noz à nação onde vivemos. Dura, forte, nem sempre bela, mas impenetrável. Estamos protegidos (assim pensamos). Dentro está o miolo, a semente, que ele comparou à Igreja, a nação santa, dentro da outra nação. A casca tem a sua utilidade, mas é o miolo que alimenta, que traz os tais benefícios que acima referi...
Enquanto separava o miolo da casca, reflecti que muitas vezes o miolo se parte pela pressão exercida sobre a casca. É preciso jeito e um instrumento bom, para partir sem desfazer o que está dentro, coisa que não tenho... E aí estou eu a pensar que as pressões sobre a Igreja, sobre a nação santa, são grandes e podem causar danos, mas mesmo assim, aproveita-se o miolo, mesmo partido, mesmo sem estar inteiro.
Agora tenho nas mãos uma acabada de partir; parece boa, mas tem um pozinho que é sinal que está atacada por um bichinho que gosta de nozes. Ponho-a de lado, não vá a infecção fazer-nos mal...
E oro: Senhor, que a “nação santa” dentro de Portugal nutra, fortaleça, actue em saúde para todos os que dela se alimentarem. Mesmo quebrados, mesmo partidos, ainda queremos ser alimento! E onde houver infecção, doença ou algo perigoso, limpa-nos, não nos lances fora da Tua presença...”
Acabei a tarefa. Guardei o miolo bom, que vai alimentar e dar saúde a quem comer.
Sobre o outro, a nação santa, continuo preocupada, insisto em orar e esperar...

1 comentário:

  1. Lembro-me dessas palavras. Que o Senhor nos continue a usar mesmo partidos e meio "com bicho" às vezes, para a salvação desta nação. Eu acredito e faço por isso!

    ResponderEliminar