segunda-feira, 29 de março de 2010

REFLEXÕES EM EZEQUIEL 47, NUMA TARDE DE PRIMAVERA

A tarde era dourada e o meu marido levou-me até junto do mar. Cada vez que o contemplo, sinto-me invadida por algo imenso e inexplicável... mas ontem reparei num menino que corria para a beira da água, chapinhava, saltitava na água e depois voltava para junto da mãe. Fez o mesmo percurso dezenas de vezes, sempre feliz. Não entrava na água mais uns passos, não se aventurava mais uns centímetros, ficava na sua zona de segurança.
Olhando o menino, pensei na minha vida. fFiz o mesmo trajecto durante tanto tempo, provando, correndo para refrescar os pés, sentindo o bater das ondas, mas sempre receosa da sua força e da sua imensidão...
A mãe do tal menino cansou de ver o filho fazer o mesmo caminho tantas vezes e resolveu pegar na situação. Tal e qual: apertou-lhe os braços e sem ouvir os seus gritos de pavor, mergulhou-o naquela água em movimento...a criança saiu a chorar, a mãe vinha vitoriosa!
Já sei o que vai acontecer; vai levar muito tempo para que aquele menino corra sozinho para o mar e se o fizer, vai sempre olhar para trás, não venha lá a mãe obrigá-lo a uma coisa tão insegura (não é só a água que tem movimento, a areia no fundo também tem...).
Deus, meu Pai, fez exactamente o oposto comigo. Para que eu aprendesse a nadar nas Suas promessas e no Seu plano, foi à minha frente. Mediu primeiro uma profundidade fácil, até aos artelhos; depois noutro momento, a água já me batia na cintura. Olhei para a praia. Ainda estava a uma distância segura. Mas Ele levou-me mais longe e aí ... estendi os braços e nadei...Nunca me empurrou, nunca forçou, deixou que eu entendesse a força do Seu plano e da Sua voz e estendeu sempre a mão, para que em nenhum momento me sentisse só.
Na margem vejo árvores, fruto, gente que pesca, curada, redimida. Fez-me entrar nessas águas para que conheça o Seu poder, para que nunca mais tenha medo...posso voltar à praia sempre que quero, posso entrar na água sempre que desejo. Sou livre!

quinta-feira, 25 de março de 2010

PROSSIGO? AVANÇO?

Estava a ler uma conhecida passagem da carta de Paulo aos crentes de Filipos, escrita a uma gente tão diferente, numa cultura completamente alheia a tudo o que vivemos hoje neste mundo ocidental e mais uma vez, fico estupefacta diante do poder da Palavra inspirada e da verdade revelada: PROSSIGO. AVANÇO. PROSSIGO. ANDEMOS.
É como se o homem tivesse a noção nítida que ao imprimir um certo movimento à sua carreira, uma certa velocidade à sua caminhada, não houvesse maneira de pará-la, sob risco de acontecer algo grave e perigoso.
Encontro gente que acha que já alcançou a meta, que já atingiu o clímax da sabedoria e do conhecimento, que já pode sentar-se à sombra e dar conselho aos outros, que já pode reformar-se da vida e gozar dos resultados de algum esforço...nada disso vejo neste apóstolo-atleta. O homem não tinha o descanso, nem a paragem no seu horizonte, mas prosseguia. Não sabia tudo, mas avançava para o desconhecido, andava na luz do que já entendia, para prosseguir outra vez para um alvo que sempre o norteou e do qual não podia despregar o seu olhar: o conhecimento de Deus, a soberana vocação de Deus.
Hoje acordei com vontade de parar. Há um misto de angústia e de inquietação pelo futuro. Seria tão mais confortável trocar as botas de marcha pelos chinelos macios! Parece que já não há muito lugar para mim num mundo onde são os mais novos que fazem coisas, criam novo.
Mas de repente dou comigo a ler: “prossigo...avanço... prossigo...ando...não cheguei ainda, não alcancei “... E dentro de mim faz-se luz. A viagem não tem a ver com o que faço, mas com o que alcanço, não é sobre performance, mas sobre vocação. Não se trata de mim, mas Dele, que me perseguiu, que me alcançou também e que tem uma meta definida para a minha vida. Fico envergonhada pelo desejo de desistência. Como, se ainda não O conheço? Como, se ainda não entendi todo o poder da Sua ressurreição? Como, se ainda não vislumbrei o que é a comunhão dos Seus sofrimentos?
A estrada ainda é longa... O melhor é avançar.

quinta-feira, 18 de março de 2010

O SAMARITANO

O homem viu ao longe a curva do caminho. Para lá da colina poderia parar e refazer-se da jornada. Já cavalgava havia umas horas e vira passar apressadamente um levita e um sacerdote que pareciam seguir o mesmo caminho. Claro que eles nem sequer o haviam saudado, mas ele já estava habituado a ser descriminado pelos judeus. Embrenhado nos seus pensamentos naquele fim de tarde macio e doce, nem dera pelo pôr-do-sol no horizonte. Mas os seus olhos habituados ao relevo da estrada, de repente viram algo que não era normal. Era mesmo um homem, caído, ferido, maltratado, na berma do caminho.
O samaritano saltou da montada e correu para o pobre. Um gemido quase imperceptível fê-lo acalmar, o homem ainda estava vivo. Foi à montada trouxe o que era necessário para um primeiro socorro e, depois de tratar o ferido, colocou-o sobre a sua cavalgadura e levou-o para a tal estalagem onde pensara pernoitar. Passou a noite junto do homem que fora atacado por salteadores de estrada. De manhã bem cedo deu ao dono da estalagem algum dinheiro para que o tratamento ao desconhecido não fosse descurado e seguiu viagem, não sem assegurar o estalajadeiro que voltaria pelo mesmo caminho para pagar qualquer despesa extra feita pelo doente...

----------
Que faço eu na estrada da vida? Viajo à procura do conforto, da estabilidade, levo na bagagem tudo o que preciso para a MINHA vida. Não é só um homem ou uma mulher que vejo caídos na estrada, são muitos. Vejo-os feridos pelo divórcio, pela solidão, pelo desamparo de filhos e família. Uns estão quase mortos, outros ainda têm força para chorar. Noto-os sem força para continuar, porque os assaltos á sua dignidade e integridades foram muitos.
Mas não paro. Estou muito ocupada. Faço uma pequena oração quando passo por eles. Quem sabe se pelo mesmo caminho não virá um samaritano que tomará conta das suas feridas e que sem perguntar nada, sem fazer julgamentos de raça ou religião, se baixará para levantá-los e colocá-los no lugar da cura?

segunda-feira, 8 de março de 2010

MULHER DE SUCESSO


“A bênção do Senhor enriquece e com ela, Ele não traz desgosto” (Provérbios 10:22)

SUCESSO: “ Bom êxito. Resultado feliz, bom resultado”.
Pensava eu que o dicionário daria uma resposta maior a algo tão importante como o sucesso, mas diz apenas que é um resultado bom ou feliz, algo feito com êxito. Nada pomposo, nada fascinante, apenas uma tarefa cumprida com bom resultado.
Para mim, que já caminhei alguns quilómetros na estrada da vida, sucesso tem a ver com a influência que eu posso ter para que outros cheguem mais longe e mais alto que eu.
Conta-se que uma mulher caminhava pela praia e reparou numa senhora idosa que apanhava na areia estrelas-do-mar, atirando-as de seguida à água. Achando que os esforços da senhora idosa eram inúteis perguntou-lhe: Senhora, porque faz isso? Há tantas estrelas-do-mar na praia, você atira algumas à água, que diferença faz? Ao que a senhora idosa respondeu atirando mais uma ao mar: “Faz diferença, para esta”.
Nem que seja apenas por uma pessoa, vale a pena a nossa influência e exemplo para essa pessoa.
Tenho pensado muito em mulheres que mudaram a sua sociedade, a sua geração, o seu mundo, não só nas páginas da história, da Bíblia, mas ainda mulheres contemporâneas que fazem a diferença no lugar para o qual Deus as chamou, seja no governo, medicina, artes, negócios, educação, ciência, serviço social e no lar, e reparei que há certos traços de carácter ou qualidades, comuns a todas elas e na influência que exerceram sobre outros:
• É íntegra
Uma mulher de sucesso tem a integridade tecida no profundo do seu carácter. Quando se encontra numa situação extrema, sabe nesse momento exacto qual a decisão certa a tomar. “Integridade é um compromisso para viver consistentemente com aquilo que sabemos ser certo e correcto.”
Deus está à procura de mulheres deste calibre. Pessoas que na hora H façam o que é certo, sem medo, apesar de tudo.
A integridade é um caminho. Neste percurso, aprendemos a ser honestos connosco, sobre os outros, a ter compaixão pelos erros dos outros, a ter equilíbrio.
• Conhece Deus
Conhecer Deus é um conceito difícil de explicar, já que Deus é infinitamente grande. Quando pensamos que já O conhecemos, ainda estamos no princípio da jornada. Mas um dos profetas da Bíblia disse: “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor”. Quer dizer que, é um caminhar constante, sem final à vista. Por isso é uma aventura única. Um dia descobrimos Deus como nosso protector, outro dia sentimo-Lo como nosso consolo, depois numa outra experiência da vida Ele revela-se como nosso conselheiro... é um nunca acabar de conhecimento.
Houve um rei poeta que cantou um dia estas lindas palavras: “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará”. Seja o que for que vier à nossa vida, Ele tem a capacidade de suprir TUDO! Por isso disse que é impossível ser conhecido plenamente. Mas para nós, seres finitos, o que aprendemos com Ele em cada circunstância, já é muito. Para conhecê-Lo temos de ter intimidade com Ele, falar com Ele, ouvi-Lo falar à nossa alma. Temos de ter relação com Ele. O maior sucesso da minha vida é saber que, seja qual for o nível de tarefa, de empreendimento, da luta, posso ter intimidade com Deus e receber d’Ele força, direcção, consolo e sabedoria.
Algures na Bíblia, o livro de Deus, está escrito: “Conhecer Deus é o princípio da sabedoria”. Poderia parafrasear: “Conhecer Deus é ter uma vida de pleno sucesso”.
Por isso considero-me uma mulher de sucesso!
(do livro Esperança para a Alma)

quarta-feira, 3 de março de 2010

SPRING CLEANING

Este começo de ano tem sido muito duro. Tantas tragédias, mortes, desastres naturais, uma lista de dor que não tem fim. Além disso, o tempo frio, chuvoso, cinzento e húmido, produz um desconforto a que não nos habituamos, visto termos o sol e o céu azul dentro das nossas veias.

Mas hoje, tive uma surpresa. Elas já chegaram! As andorinhas! No canto da minha varando o corrupio é imenso. Nem queria acreditar quando ouvi o chilrear das ditas. Vieram, mesmo com chuva? perguntei-me, para depois me lembrar que elas têm dentro delas um relógio (que não é de sol!) que não falha – o da natureza em transformação.

Daqui a umas longas semanas, faça chuva ou sol, haverá uns biquitos abertos à espera de comida. Pai e mãe andorinha voarão sem descanso para saciar o apetite voraz dos filhotes...

E lembrei-me do que diz a Palavra de Deus: que ficamos sem desculpa quando olhamos a natureza, as coisas criadas, e não entendemos através delas as espirituais. “Eis que faço...novo” é o slogan de um Deus que ama sem fim, que cuida desveladamente e que está pronto a renovar. Coisas velhas, desbotadas, sem sabor, sem propósito na nossa vida, Ele quer mudar através de uma primavera cheia de força.

Dei comigo a fazer um “spring cleaning” à minha alma, a renovar os meus propósitos, a tirar o pó das promessas recebidas há muito e que ainda não se cumpriram, a colocar sementes novas nos vasos do meu pensamento para que brotem flores de cor diferente... Quero que a primavera de Deus chegue e encha o meu ser, a minha casa, de novas fragrâncias. Quero abrir as portas e deixar que outros se sentem no chão lavado da minha vida e encontrem descanso e aconchego...

O inverno está a terminar! A primavera está á porta!