quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Quando eu morrer



(Este poema foi escrito por um amigo, dedicado ao meu pai, no dia do seu 97º aniversário)


Quando eu morrer
por favor não procurem pelos meus passos
...na literatura.

Procurem apenas saber
se na minha boca
ainda respira a rosa indomável
que vos falou de Cristo.

E prestem atenção
à sua loucura.

Manuel Adriano Rodrigues

Sem comentários:

Enviar um comentário