domingo, 27 de maio de 2012

MINORIAS



Quem disse que a maioria é que tem razão? De onde vem a ideia que o que todos dizem é que é o correcto? Às vezes parece-me que sou de outro mundo ou que estou fora do tempo, porque a minha opinião não coincide mesmo com a dos que me rodeiam.

Quer seja na política ou na religião, o partido ou a crença deseja muito ser “ o maior”…As tendências e modas são sempre aceites por grandes números e os que não gostam, não concordam ou aceitam, são olhados de lado… É uma posição desconfortável, convenhamos.

Hoje acordei a pensar nisto. E não é que ao fazer a minha leitura bíblica me deparo com uma história incrivelmente bem encaixada no meu pensamento? Remonta ao tempo dos reis de Judá e Israel, mais propriamente ao tempo de Jeosafate e Acabe. Este último era um fulano execrável, manipulador e profano. Recebeu a visita do rei de Judá e enquanto conversavam, levou Jeosafate a comprometer-se a ir à guerra com ele. O rei de Judá, numa de boa política anuiu, na condição que o Senhor Deus fosse consultado para tal empreendimento. Acabe não teve outro remédio senão concordar e chamou os “seus”profetas. Uma multidão deles, 400 ao todo! Todos profetizaram que sim senhor, o rei poderia ir para a batalha porque Deus iria com ele. Um deles até fez um “acto profético”, confirmando esta declaração. Mas o rei de Judá não ficou muito convencido. Era muita gente a dizer a mesma coisa. Eu, no lugar dele, teria sentido o mesmo. Já estive em ambientes onde todo o mundo fala, grita e proclama algo que não faz sentido no meu espírito. Como não sou rei, fico caladinha. Mas não sou obrigada a concordar!

Acabe chamou então um outro profeta que disse algo completamente diferente. Um único homem atreveu-se a contrariar a maioria, sob uma autoridade que não era dele, mas do Deus Todo-poderoso. O rei ficou furioso. Atitude igual à de todos os que dançam ao som das maiorias. Por causa desta postura, o profeta foi para a prisão, em regime racionado – pão e água.

Desobedecendo à direcção de Deus os reis foram para a batalha. O inimigo queria apanhar Acabe, por isso os comandantes da cavalaria tinham ordem de não matar ninguém a não ser o rei de Israel. Só que, Jeosafate vestiu-se com seu traje real de guerreiro e Acabe como se fosse um soldado vulgar. Os comandantes dos carros cercaram Jeosafate para matá-lo, convencidos que ele era o rei que procuravam. Jeosafate, sentindo-se cercado gritou e pelo seu grito, o inimigo viu que aquele não era o homem. Jeosafate safou-se à justa.

No meio do frenesim da batalha, UM HOMEM, desconhecido, um soldado de infantaria, esticou o seu arco e disparou uma seta. O zumbido do metal da flecha a bater na couraça do homem que corria no seu carro, foi seguido por um grito abafado. Acabe fora atingido. Uma seta disparada por acaso, tinha entrado nas junturas da couraça. Ainda se manteve de pé, por algumas horas, esvaindo-se em sangue, até que à tarde acabou por sucumbir.

Deus pode usar UM profeta e UM archeiro. Ele não precisa de maiorias para cumprir os Seus desígnios e de pessoas que façam número! Como eu entendo Deus!

Sem comentários:

Enviar um comentário