quinta-feira, 14 de junho de 2012

IDENTIDADE



Estou fascinada pela Raabe. Segundo o relato bíblico, era uma prostituta, conhecida em Jericó pela sua casa construída em cima da muralha. Lá, entravam os viajantes, estrangeiros e quem precisasse de comida ou prazer. A sua identidade era essa, Raabe, a prostituta.

Pode alguém ver-se livre de uma identidade tão marginal? Os dias desta mulher eram aquilo; não pedia mais, estava habituada a ser assim, até ao momento em que sentiu a sua vida em perigo. Por isso fez um "negócio" com os dois homens que entraram na sua casa e que ela reconheceu serem israelitas e espiões: a sua vida e da sua família, em troca da fuga segura deles.

Quando Jericó foi destruída completamente, restou uma casa em cima do muro. De uma das janelas meio partida, um cordão vermelho pendurado - o sinal combinado entre Raabe e os homens de Israel.

Integrada na nova comunidade, a sua identidade foi mudada também. Casou, teve filhos, descendência, que seria única e de "mulher perdida", passou a fazer parte de uma galeria de heróis da fé.

Odeio rótulos. Abomino palavras que marginalizam os seres humanos criados por Deus e que os colocam em prateleiras e guetos discriminatórios. O mundo ainda pasma, muito, quando um deles sai dessa prateleira e se transforma num presidente, num inventor, num jogador de futebol e mais algumas coisas...

A Bíblia fala apenas de duas espécies de pessoas: justos e injustos e sobre estes dois grupos, Deus continua a levantar o sol brilhante do dia e a enviar chuva que lava e faz produzir. Se Ele é assim, que nos impede de ser como Ele?



2 comentários:

  1. Sarah, amei o texto ,penso como você,os rótulos só nos separam das pessoas,que frequentemente vamos catalogando e colocando na prateleira ,precisamos nos policiar para mudar isso!
    Continue a escrever ,amei seu blog!

    ResponderEliminar