domingo, 15 de julho de 2012

O SALMO DA VIDA

Tem sido o meu salmo este ano. O salmo do pastor. 


De repeti-lo, lê-lo, orado e chorado sobre ele tantas vezes, já não deveria ter nada novo para me contar. Mas esta noite, enquanto as horas rolavam sem sono e a alma apertava cá dentro, disse-o outra vez. Descobri algo muito lindo, que possivelmente mais alguém já descobriu antes de mim...mas que importa, só agora vi e abençoou-me. Por isso registo aqui o que me encheu a mente nessas horas de insónia.

Ele faz-me repousar em pastos verdejantes, leva-me para junto das águas de descanso...Passei pelos três primeiros versos e vi-me na infância, cuidada, mimada, acarinhada e protegida. Nada me faltava, deitava-me de barriguinha cheia, tinha quem cuidasse de mim, tudo me era dado com o maior cuidado...

Restaura a minha alma ... Tem a ver com a idade das descobertas, da adolescência, da impulsividade em que subia árvores, partia pernas e descia colinas...e caía. Muitas vezes. O pastor procura a ovelha que deve estar virada em qualquer lado, sem capacidade de poder levantar-se e se ele não chega depressa, se não a restaura rápido, o mais certo é ela ficar ali, de patas para cima, sem poder dar a volta para sobreviver...Como Ele fez isso comigo tantas vezes!

Guia-me pelas veredas da justiça... Cheguei à idade das escolhas, do caminho que queria seguir, dos sonhos da juventude, do casamento que queria ter, da chamada que perseguia e se o Pastor não me tivesse ensinado, como me teria perdido e como a vida teria sido tão diferente...

Ainda que eu andasse pelo vale da sombra e da morte, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo, a Tua vara e o Teu cajado me consolam...Vivi a fase das dores, das faltas, da separação, da morte dos queridos, da injustiça do mundo, da maldade feroz dos homens, da frustração com amigos, mas Ele nunca me abandonou... Estava lá, sempre.

Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo e o meu cálice transborda...Estou sentada à mesa, literalmente. Vejo os que me desejam mal agora e os que me atacaram no passado, estão todos do lado de lá do banquete. Não podem tocar-me. Nada pode perturbar a intimidade que tenho com o Pastor. Ele continua a ungir-me e a encher a minha taça da Sua presença...

Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida e habitarei na Casa do Senhor para sempre...Caminho para esta fase sem medo. Porque haveria de recear? Tenho a bondade e a misericórdia a seguir-me os passos já vacilantes. Não há possibilidade de perder-me no caminho, porque ao longe vou ver a Casa...

Nada me faltou...nada me faltará...Ele é o meu Pastor!

Sem comentários:

Enviar um comentário