quinta-feira, 27 de setembro de 2012

EUzinha

A guerra a acabar e eu a nascer! Meu pai contava que havia muita pobreza e fome, mas olhe que a mim, criancinha que berrava sem parar, nunca faltou comidinha.


Há quem diga que no bibebron, os meus pais misturaram com o leite, muito da bendita Palavra de Deus, porque ainda hoje ela é o meu bem mais precioso, o meu alimento principal e fonte de vida.

Cresci para comandar mais 5 irmãos, que vieram logo atrás de mim com poucas diferenças. Cada um deles com dons e capacidades únicas, faziam de nós uma família especial. Num ambiente de grandes necessidades, aprendemos a apreciar as coisas pequenas a que os outros nem davam valor. Quer que eu conte um episódio para entender melhor? Ora aí vai: Os meus pais não tinham dinheiro para comprar sapatos a todos no Natal. Era importante ir à festinha da igreja cantar e louvar, mas com sapato novo... Pois naquele ano um amigo veio da Suécia e resolveu pegar no rebanho dos seis maninhos e comprar sapatos para todos! A nossa mãe foi aconchegar-nos à noite, mas entre os lençóis, encostados ao rosto de cada um, havia um par de sapatos novos.

Cresci amando a igreja de Jesus Cristo, respeitando os homens que Deus levantara para fazer a sua obra. Por isso hoje é-me difícil engolir alguns que nunca deram nem sacrificaram nada pelos outros e se arvoram em donos de uma verdade que não conseguem provar com a sua vida. Aprendi o dom do perdão depois da queda, o choro da alegria depois de uma conversão milagrosa.

Casei com um homem maravilhoso. Era o mais bonito do pedaço, mas era meu! Passados 45 anos ainda sou dele e ele ainda é meu! Dos dois rebentos que Deus nos deu, nasceram as 4 mais lindas raparigas. Quem não acredita só tem que procurar por aí umas fotos delas.

Sirvo um Deus que apesar da minha pequenez (1.56m) e de pertencer a um Portugal pequeno e aos olhos de muitos, insignificante, no Seu divino conhecimento resolveu enviar este pequeno embrulho pelo mundo fora, ministrando e ensinando a Sua Palavra, empurrando todos os que desejam para os braços de um Pai que nunca desiste e que tem bitolas diferentes do resto da humanidade.
Amo a Deus mas amo as pessoas. Não sei nada, mas Ele ensina-me tudo. A minha vida dava um belo romance, mas não vou escrevê-la. Já há muitos por aí a escrever histórias...

Sem comentários:

Enviar um comentário