segunda-feira, 10 de setembro de 2012

EXTREME MAKEOVER (QUERIDO, MUDEI A CASA!)


Já viu o programa, claro. Eles estão mesmo determinados a mudar aquela casa, suja, arruinada, infectada e imprópria. Estão decididos a transformar uma casa ou divisão da mesma, num lugar cheio de beleza e de luz, onde antes havia paredes escuras, mobiliário inadequado, pobreza...

A parte mais fascinante do processo, para mim, é vê-los deitar tudo abaixo! Destruição completa e extrema. No caso de uma divisão, vê-los partir paredes, abrir corredores e deitar fora todo aquele lixo, é realmente curioso. Quando se trata de uma casa  inteira, aí sim, a destruição é mesmo total. Tudo tem que desaparecer para dar lugar a uma construção nova.

Lendo a Palavra de Deus, sou também incentivada a destruir, a deitar abaixo, a demolir. E ai surge a questão: onde vou encontrar força para tal?

Paulo, o apóstolo, escrevendo aos crentes de Corinto, gente cheia de conhecimento, de filosofias e pensamento humano, incentiva-os a fazer esta destruição total a esses pensamentos, à arrogância e a qualquer ideia que se levante contra o conhecimento de Deus. Pois parece-me a mim, que é exactamente o oposto, o que fazemos hoje. Adquirimos muito conhecimento, estudamos muitos aspectos doutrinários de uma determinada verdade (claro que ainda acreditamos que é verdade!) e enchemo-nos de orgulho pelo que sabemos e pelas capacidades humanas que fomos adquirindo, nos vários cursos que conseguimos fazer, sem nos lembrarmos que o próprio Cristo disse que “se não nos tornarmos como meninos”, simples, inocentes, humildes e desejosos apenas do essencial, não veremos o reino de Deus.

E agora? Deitar abaixo isso tudo dá muito trabalho e é preciso muita força. Destruir as minhas filosofias, convicções enraizadas e arrogância pelo que sei, é muito humilhante. O apóstolo não diz para por de lado, nem para esquecer, manda destruir! O pior da destruição é que durante um tempo, fico nua, não tenho nada, só um terreno ou um lugar cheio de entulho...e é essa escolha que custa: o edifício presente muito bem arranjado mas podre, vazio e bafiento, ou a destruição completa do mesmo e a permissão para que o Espírito de Deus faça novo, lindo, luminoso e maior.

A escolha é minha.



Sem comentários:

Enviar um comentário