quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

FRIO

 
 
Nas ruas, as pessoas aconchegam com força os casacos, olham por debaixo das dobras dos chapéus, caminham sem cumprimentar quem passa,tudo por causa do frio. Afinal é verdade que o clima nos condiciona muitíssimo. Não agimos da mesma maneira, nem sorrimos do mesmo jeito... Há mais queixas, menos entusiasmo, menos vontade de parar para ver seja o que for.
O mesmo acontece quando a nossa alma sente o frio da dor, da rejeição, da ansiedade pelo que virá. Esquecemos que os outros que passam por nós, também poderão sentir o mesmo gelo, Não nos importamos em perguntar se precisam de algo que lhes traga conforto, calor. O egoísmo instala-se dentro de nós, como se fossemos os únicos a sofrer e por isso mesmo, entra-nos nos ossos, nas articulações e impede-nos de ver além do nosso pequeno mundo.
 
Hoje, é um desses dias. Húmido, desconfortável, triste. Mas além desta  condição, quero levantar os meus olhos e ver quem passa. Quero estender uma mão amiga e aconchegar um cachecol fora do lugar. Desejo muito ver um sorriso brilhar nos olhos de um vizinho desalentado e trazer uma gargalhada ao coração da senhora que me serve o café...
 
Afinal, não está assim tanto frio....

3 comentários:

  1. Sarah, és uma grande mulher! Não sei dizer-te com precisão, como conheci tua pagina, mas sou grata pela leveza de tuas palavras quando tocam meu coração,é bonito o encontro. Em meus dias frios, quantas vezes Deus falou comigo através de ti e nos dias alegres também encontro paz em tuas palavras. Moro em São Luis-MA (Brasil)um tanto que distantes né? rsrss obrigada pelo café, pela lareira, pelo casaco, pelas refeições que ofertas a mim e a tantos que são alcançados. Um forte abraço

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelas palavras generosas,Isa! Mas é certo que embora haja distância física e geográfica entre nós,quando escrevo, sinto-vos todos perto, no tal café, na lareira e sobretudo no abraço...

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar