segunda-feira, 23 de junho de 2014

DIETAS...

E entrámos na fase crítica das dietas, ou seja, na altura do ano em que as pessoas de repente se lembram que, para vestir um  biquíni ou fato de banho, precisam perder peso (em certos lugares, claro). As massagistas preenchem nas suas agendas todas as horas do dia de trabalho...e mais que fosse.  As ervanárias e farmácias de produtos naturais vendem mais do que é habitual, tanto que os clientes pedem chás e xaropes de frutas mágicas, para perder os tais quilinhos extra.
Mas é mesmo nas dietas que vemos a grande ênfase do Verão desnudado. Há como que uma sofreguidão pelo que é "mais saudável",  já que  no resto do ano comemos do que gostamos e do que não é saudável!
O culto da imagem, o desejo de parecer, a intensa preocupação de ser como este ou aquele, enchem os pratos de saladas, metem o pão com manteiga na gaveta do "para depois do Verão".
Praia, a quanto obrigas! Ah, esquecia um pormenor importante: os ginásios estão lotados de gente que todos os dias resolve malhar para ficar com a tal figura.
Será que temos os mesmos cuidados quanto ao nosso espírito? Que alimentos damos à nossa alma, que exercícios lhe propomos, que dieta imaginamos, para que o nosso olhar seja mais límpido, o nosso falar mais doce, as nossas palavras mais comedidas e  a  nossa interacção mais suave e saudável? E em que estação do ano fazemos tal regime? Uma vez por acaso, diariamente, em momentos de obesidade ou falsa saciedade da mente? O que comemos para substituir tudo o que nos dão a todas as horas em pratos de informação nem sempre realista, em filmes e shows onde a beleza deixou de ser o mais importante para dar lugar ao mais chocante? 
Também tenho uma dieta, em função do que pode trazer benefício à minha saúde e aos problemas que aqui e ali vão aparecendo. Também eu de vez em quando prefiro o silêncio às salas cheias, para fazer uma limpeza na minha mente, restabelecer as prioridades da minha vida.
Afinal não critico as dietas. Depende por que são feitas. Só isso.

1 comentário:

  1. As dietas ocasionais nunca produzem resultados a longo prazo. Também na área espiritual.
    Falo por mim; há vários anos faço uma alimentação saudável:
    1. aprendi a comer sozinho - quem come apenas em cultos, eventos, nem sempre ingere todos os nutrientes que precisa, é preciso consultar o nutricionista.
    2. todos os dias uma boa dose da palavra - ler versículos isolados deixa-me com água na boca. Leio pelo menos a Bíblia uma vez no ano.
    3. acompanhamento médico - passar muito tempo a conversar com o Pai; é insuficiente ir à igreja como quem vai ao Centro de Saúde para a tal consulta. Eu e Ele somos, unha com carne. Eu digo que é o meu médico de família.
    4. Pesar regularmente - avaliar se estou a seguir o que Ele fala pela palavra e pelo Espírito ao meu coração e se está a produzir fruto.

    ResponderEliminar