quarta-feira, 22 de julho de 2015

SILÊNCIO

Consegue ouvir o silêncio? Não é possível. Há sempre algum som, próximo ou distante que invade aquele espaço. 
Tive uma experiência única sobre isto, na Islândia. Subi até uma colina onde havia uma velha e imponente igreja. Entrei. Tinham-me dito que ali iria encontrar o silêncio. Mas não. Cada pessoa que entrava na igreja, por mais cuidado que tivesse, fazia sentir o som dos seus passos. Desapontada, saí. Fiquei cá fora uns minutos, embrulhada num forte agasalho, a olhar a paisagem única daquele país. Tanto, tanto verde! E de repente, ouvi-o. O silêncio. A natureza não fala, não canta, o vento recolhe-se não sei onde, não há pássaros, não há árvores, só o verde silencioso. Virei-me de repente. Pensava que tinha ficado surda, mas não, era verdade. Ali naquele lugar, Deus tinha criado um espaço de silêncio,um vácuo de som. Deve haver uma explicação cientifica para o fenómeno. Não me preocupei se havia ou não. Gozei apenas os breves momentos que fiquei ali, como que suspensa. Em segundos, apercebi-me de uma outra realidade. A presença de Deus enche a terra, este planeta que Ele criou com um fim especial e só Ele pode fazer  com que a a natureza cante, uive, trema, arda e silencie. Em meio ao silêncio, Deus!

sexta-feira, 17 de julho de 2015

PARA SEMPRE!

E vêm aí, os anversários de casamento das nossas meninas! Para duas delas passaram 3 anos, para uma só dois anos. E neste curto espaço de tempo, as folhas do calendário foram arrancadas, umas de repente, outras a medo. Há tanto para ver, para experimentar e viver!
Para quem já viu passar muitas décadas de um casamento sólido e feliz, estes poucos anos das nossas meninas parecem  uma pequena flor a desabrochar. Nem elas sabem por quanto ainda vão passar, o tanto que terão que sofrer e conquistar, rir e chorar, trabalhar e descansar, ter conflitos e perdoar, assistir a desilusões e levantar-se, porque o compromisso é maior.
É disto  que se faz uma união. É com estes ingredientes que se fabrica um casamento para a vida.
Os vestidos vaporosos, rendados, os véus , grinaldas e albuns, ficam guardados em armários. Mas à luz de cada dia, cada uma delas terá que trazer o melhor de si mesmas, investir até à exaustão, para que a promessa "para sempre" não seja apenas palavreado de ocasião.
Já agora, minhas queridas, festejem e celebrem, sempre , todos os meses, todos os anos! Toquem os sinos da vossa paixão outra vez, atirem ao ar as pétalas da doçura e do sonho  e façam de cada aniversário uma lembrança - para sempre!

quinta-feira, 9 de julho de 2015

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Comecei o dia com esta pergunta, dirigida a Jesus Cristo em quem vivo, me movo e existo: "E agora, o que fazemos?"
A questão vinha do mais profundo do meu ser, da enorme preocupação que teimava em amarfanhar-me, da inquietude de não saber os passos a seguir, ao olhar para o homem da minha vida e ao vê-lo tão cansado, sem acção e sem vontade de dar um passo que fosse.
É nestes momentos  que temos que ter a certeza  quem somos e a quem pertencemos. É verdade que a vida foi-nos dada com um prazo e a embalagem não traz  a data da validade, mas cá dentro, sabemos que algo está a esgotar-se, como a areia na ampulheta.  
Por isso, fiz esta pergunta  ao Senhor. No plural. Porque sem Ele, nem tenho o direito de fazer perguntas destas. 
E Ele respondeu. Na Sua voz doce, firme, segura e única, a voz que deu vida ao Universo e que faz tremer montanhas  e embravecer os mares, mas que ao mesmo tempo, é capaz de susurrar uma canção de embalar para acalmar o sono de uma criança. Ele dise: CONFIA, DESCANSA, ESPERA!
Confio, Senhor, nunca mentiste, jamais falhaste e a tua graça está cheia de favor e promessas.
Descanso, Senhor, porque não quero que me digas o que disseste aos Teus discípulos: "Homens de pouca fé..."  e porque só o descanso me vai ensinar como és manso e humilde de coração.
Espero, Senhor, porque nesta espera Tu vais mostrar-te forte, o jogo vai mudar, o resultado final és Tu que o determinas e ninguém pode interferir naquilo que Tu já planeaste.