segunda-feira, 17 de outubro de 2016

GERAÇÕES

Que linda! Estou a falar da minha bisneta Isabelle. Ontem tive-a no colo e ao olhar a sua carinha recém-chegada ao mundo, não consegui deixar de lembrar o dia em que me colocaram nos braços a sua avó. Eu era jovem, cheia de energia e sonhos para a menina que Deus me tinha concedido. Foi um parto bem difícil, os dias a seguir ainda mais, mas ela venceu todos os obstáculos e fez-se uma mulher de carácter, de sabedoria, de fé, que toca o mundo à sua volta e sabe discernir o que Deus deseja para a sua vida. 
Depois lembrei o dia em que nasceu a sua mãe, a minha neta. Oh, meu  Deus! Que manhã aquela, de espera ansiosa, até que a enfermeira passou com o bercinho da recém-nascida e todos os temores desapareceram diante da perfeição deste novo ser. Os pais deram-lhe um nome que trouxe esperança à minha vida, num momento de fragilidade emocional.Hoje olho para a minha neta e sinto um orgulho profundo pela pessoa que é, pela determinação e capacidade de estar longe da família 5 anos para formar-se e pela esposa e mãe em que se tornou.
E agora...ali está ela, Isabelle, bisneta, num momento de fragilidade física da minha vida, a dizer-me sem palavras: "Louva a Deus, nonna, porque chegaste aqui! Nem todas as mulheres têm este privilégio! Nem todas podem gozar do carinho que te damos, muitas na tua idade já nem sabem por que vivem..."
Respiro fundo. A gratidão às vezes também nos sufoca...e não há como não deixar que ela escorra dos nossos olhos.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Lindo!!!
    Sara sei o que é esse sufoco...de Amor e Gratidao
    Bjs Felucidades para Todos.
    Deus vos Guarde Sempre.

    ResponderEliminar